Skip to content

CPI DA CANTAREIRA EM ANDAMENTO

setembro 4, 2012
O Rotaty Club Tremembé convidou o vereador Paulo Frange,  presidente da CPI da Cantareira em curso na Câmara Municipal, para falar sobre esse tema que interessa a todos.  Logo a questão Rodoanel trecho Norte cresceu no debate.  O vereador considera muito difícil impedir uma obra que é “a maior licitação em andamento no mundo: R$ 6,5 bilhões”, afirmou.  “Não temos forças sociais que parem essa obra, é triste dizer isso, mas é a realidade”, afirmou o vereador. Em seguida disse que a CPI  luta para que o impacto gerado pela obra seja o menor possível.
 

Presidente da CPI da Cantareira fala sobre o Rodoanel trecho Norte.

 
Na noite de 03/09, um público de 35 pessoas, entre membros do Rotary Tremembé e convidados, assistiu a palestra de Frange, que deu dados sobre a Cantareira, fazendo sempre questão de distinguir “serra”, “parque”, e “sistema”, que segundo ele são aspectos que se confundem na cabeça das pessoas.  A Reserva da Biosfera do Cinturão Verda da Cidade de São Paulo foi decretado pela UNESCO em 1994.  Essa enorme área que circunda a metrópole pretende proteger a pouca vegetação de Mata Atlântica que sobrou no estado de SP.  A serra da Cantareira faz parte dessa Reserva.  Ele lembrou que a década de 1990 foi extremamente perversa para a vertente Sul da serra, no lado da cidade de São Paulo. Todos os distritos que circundam o Parque Estadual da Cantareira tiveram invasões e loteamentos irregulares, gerando expansão urbana sobre a serra e prejudicando o cinturão verde.
 
A CPI da Cantareira foi aberta em 2009, a partir de denúncias feitas pelo Ministério Público sobre as irregularidades cometidas na região da serra, entre os anos 2000 e 2007.  Como essa CPI só começou seus trabalhos em 2012, e agora o Rodoanel é a maior ameaça à serra (com seus 30 mil caminhões/dia), essa obra passou a ser analisada pela CPI, em termos de sua legalidade e da proteção à região de mananciais da serra.
 
Para Frange é fundamental que os 11 parques propostos pela prefeitura, os chamados “parques de borda”, para servir de proteção ao Parque Estadual da Cantareira, sejam implantados com recursos vindos das compensações da obra.  Ou seja, o dinheiro das desapropriações deveria vir das compensações.  E mais: não adianta decretar os parques e depois não implantar, não ter a fiscalização e o gerenciamento adequados, senão as invasões continuarão acontecendo. Para evitar isso, Frange propõe que esses parques (listados na imagem abaixo) sejam geridos em parceria com o Parque Estadual da Cantareira, numa gestão compartilhada, e que uma parte da arrecadação do pedágio vá diretamente para um fundo destinado à manutenção desses parques.
 

Lista dos 11 parques de borda prometidos pela prefeitura.

Anúncios
5 Comentários leave one →
  1. setembro 4, 2012 4:18 pm

    E o que dizer a respeito do trabalho ainda a ser realizado pelo IBt (Instituto de Botânica): ninguém vai contestar? vide blog anterior desse mesmo site…

  2. Eli permalink
    setembro 5, 2012 1:40 pm

    É pelo que vejo, perdemos mais uma!
    Vão detonar a serra da cantareira, e jogar os moradores da região atingida no vento!
    Gente, a eleição tá chegando, e meu voto é nulo!!!!!

  3. Regina Rocha permalink
    setembro 5, 2012 8:49 pm

    Parece combinado: políticos, promotores públicos e outros por aí fazendo coro ao afirmar: “a obra vai mesmo acontecer, agora não tem jeito etc…”. Quem é contra não pode entrar nessa ‘lógica perversa’. É preciso continuar lutando contra o maior crime ambiental em curso contra a população de SP, contra a mata atlântica, contra a mobilidade urbana sustentável, contra… Algo estranho acontece nos bastidores do governo e devemos procurar saber porque uma obra que, pelo cronograma, já devia ter começado, foi anunciada várias vezes e não começou. Algum palpite?

  4. Francisco Roberto C. E. Santo permalink
    setembro 6, 2012 12:10 pm

    Que pulverização é esta de parques e mais parques?? É uma propaganda enganosa, ridícula! A serra da cantareira precisa ser considerada de uma forma mais ampla, eficiente e não fragmentada, tendo a real condição de cumprir como um manancial de equilíbrio para a vida e bem estar geral para a população. Ouvir de políticos que nada pode ser feito diante do investimento “maior do mundo” de R$ 6,5 bilhões é uma tragédia!

  5. Carla Geraldine permalink
    abril 21, 2013 5:55 pm

    Oi, acá no México está acontecendo a mesma coisa com nossa Serra de Guadalupe, espero que possamos compartilhar informaçoes, lutamos pela VIDA na Cidade do México…. c_okokan@hotmail.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: