Skip to content

17 RAZÕES PARA DIZER “NÃO!” AO RODOANEL NORTE

maio 13, 2012

POR QUE não é admissível o traçado do Rodoanel passando pela serra da Cantareira e pelas áreas de amortecimento do Parque Estadual da Cantareira?

1 – Agressão ao maior patrimônio ambiental da cidade, a Serra da Cantareira, inclusive decretada pela UNESCO como Reserva da Biosfera do Cinturão Verde da Cidade de São Paulo.

2 – Contramão histórica, em um tempo de busca de sustentabilidade, ao propor a construção de uma megaestrada muito próxima à área urbana (trechos a 11 km do centro), para o trânsito de carros e caminhões. “Será uma nova avenida Marginal, paralela à Marginal do Tietê”, dizem especialistas.

3 – Discutível benefício para o trânsito paulistano, em função do tráfego recolhido por essa obra, que deixaria de adentrar a cidade.  Há estudos que mostram que esse benefício seria irrisório, se comparado aos transtornos ambientais e ao custo financeiro.

4 – Chegada de enorme quantidade de fumaça, materiais particulados e ruído urbano a uma região intacta, de preservação ambiental e de mananciais. Significa levar POLUIÇÃO intensa à área de preservação.
 
5 – A proposta do FERROANEL, recém anunciada pelos governos estadual e federal, a começar exatamente no TRECHO NORTE, contempla a retirada de cargas pesadas do centro da cidade, a um custo de obra 4 vezes menor:  R$ 1,2 bilhão.  Para que o Rodoanel, se virá o FERROANEL, que pode ter um projeto ampliado, com centros de abastecimento e descarga para os produtos com destino à Gde SP?

6 – Gravíssimo: Enorme risco ao abastecimento de água a 55% de toda a população da Grande São Paulo, uma vez que o traçado proposto intercepta os troncos de abastecimento que saem da ETA GUARAÚ, na Pedra Branca, a maior estação de tratamento de água do Brasil.

7 – O tramo Norte estaria passando em trechos a apenas 11 km do centro da cidade, enquanto em outras regiões está a mais de 20 km do centro. O seu trajeto se dá praticamente só por área de mata e terrenos livres, significando impermeabilização de uma enorme área (exemplo: Faz. Santa. Maria, no Tremembé), cujo recalque de água causará enchentes , sobrecarregando córregos que afluem ao Tietê.

8 – São 44 km de estrada, com um calibre de obra de 150 metros, sem considerar as áreas de canteiro de obras, passando por ENORMES áreas semi-rurais e verdes em São Paulo, Guarulhos e Arujá, impactando a saúde e a qualidade de vida de toda a Grande São Paulo.

9 – A demanda de tráfego nesse trecho já foi assumida pelo governo como menor do que nos outros trechos. Assim não se justifica os enormes custos financeiros e ambientais anunciados para a obra. Em termos de mobilidade urbana, é discutível a prioridade do investimento inicial de R$ 6,5 bilhões nessa obra, e não na construção de MAIS LINHAS DE METRÔ e corredores de ônibus.

10 – A serra da Cantareira cumpre funções de equilíbrio climático indiscutíveis. A colocação desse colar de asfalto e concreto junto a sua área reduzirá esse benefício à região metropolitana  que, historicamente, não deu atenção a um planejamento equilibrado. A temperatura de São Paulo, que tem na serra da Cantareira um atenuador natural, subirá inevitavelmente.

11 – Fauna e flora únicas presentes em todo o maciço do Parque Estadual da Cantareira serão afetadas, principalmente em suas áreas de amortecimento, preconizadas em seu Plano de Manejo, gerando mortandades que não podem ser desconsideradas em um momento em que todo o planeta advoga a adoção de medidas de sustentabilidade. Todo o bioma da região metropolitana, já tão frágil, sofrerá tremendamente com essa obra.

12 – Retirada de milhares de pessoas de suas residências, construídas ao longo de uma vida.
 
13 – Desconsideração sumária da expressiva manifestação CONTRÁRIA à obra, nas diversas audiências públicas realizadas.

14 – Afetação de próprios públicos, como a EMEF Hélio Cel. Hélio Franco Chaves, da Capela Histórica de Três Cruzes e da Associação Cultural e Agrícola da Cachoeira (criada em 1928), na divisa de São Paulo com Guarulhos, todos com valor comunitário.  Desrespeito com o acervo histórico da primeira  estação de abastecimento de água da cidade, na Vila Rosa, atual Clube da Sabesp, onde o traçado está anunciado. 

15 – Infração às regras do Plano Diretor da Cidade de São Paulo.
 
16 – A dúvida de se o Parque Estadual da Cantareira resistirá a uma obra que a transfigura, com a passagem de túneis sob sua área, com concentração de poluentes nas áreas de respiro dos túneis.

17 – A falta de estudos de todos os impactos acima apontados, com um natural olhar macro para a região da Grande São Paulo, considerando QUALIDADE DE VIDA e SAÚDE PÚBLICA como variáveis indispensáveis e inegociáveis, com grande peso, nas análises e decisões de investimentos.

Anúncios
7 Comentários leave one →
  1. carlos bonilha permalink
    maio 24, 2012 10:02 pm

    enquanto voces discutem uma coisa que já está decidida, não tem mais volta, ninguem se preocupa com o avanço da favela da Vila Albertina que segue morro acima, desmatando a “mata atlântica” e ninguem faz nada contra. Será que é porque favela não da ibope e rodoanel dá?

    • Regina Rocha permalink
      agosto 27, 2012 10:14 pm

      Enquanto lutamos (onde vc viu ibope ou apoio na imprensa?) de alma aberta para preservar a serra da Cantareira, a mata atlântica de que fala, como é que você, Carlos, não percebe que o avanço pelo morro da Vila Albertina é justamente parte dessa destruição contra a qual estamos brigando. E fruto do descaso do poder público, do mesmo governo do estado que avança agora sobre o que resta desse patrimônio ambiental? Veja que a obra não começou, não está decidida coisa nenhuma, e estamos lutando para evitar mais essa tragédia rodoviarista em SP.
      Se ligue…

  2. jaime melim de menezes permalink
    dezembro 15, 2012 12:20 am

    o ( Rodo anel ), falam que é p/ coibir o avanço da população na serra da cantareira .
    só que ele vai passar um km e meio longe do pé da serra , e vai derrubar minha casa a empresa que trabalho casas de meus visinhos etc, alguem perguntou se queremos vender nossas propriedades d: Regina a senhora mora no traçado do rodo anel

  3. jaime melim de menezes permalink
    dezembro 15, 2012 12:25 am

    D: Regina venho por meio deste ,pedir descupas pela mal enterpretação minha

  4. jaime melim de menezes permalink
    dezembro 15, 2012 12:34 am

    Enquanto não sai o Rodo Anel na RD : Fernão Dias km 81 e meio já aterraram umas 50 arvores com mais de 50 anos e ninguem faiz nada .
    Quem tem dinheiro manda neste pais ,o pobre só presta p/ votar .

  5. Alessandro de Lima permalink
    janeiro 18, 2013 11:13 am

    odeio a construção do rodoanel trecho norte o governador Geraldo Alkimim não vale nada 0 para o mandato dele

  6. renato permalink
    janeiro 20, 2013 7:41 pm

    a população está insatisfeita e infeliz com tamanha loucura que vão fazer desmatamento do verde, mananciais de água intocável que serão adulteradas por favor alguém pare essa loucura contra a vida do ecossistema. POR FAVOR URGENTEEEEEEEEEE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: