Skip to content

– REFLEXÕES NA SEMANA DO MEIO AMBIENTE

junho 2, 2011

Que médico responsável, ao observar o agravamento do quadro do paciente, insiste em doses cada vez maiores do mesmo remédio aplicado há anos, sem resultados satisfatórios?

Que médico zeloso e experiente, ao ver que a situação começa a fugir  do controle, por insufiência de diversos orgãos que compõem o corpo do  paciente, propõe uma cirurgia de alto risco em sua especialidade, cuidando de apenas uma parte, sem consultar outros médicos (e a família), para avaliar impactos, contraindicações, efeitos colaterais, etc?

A metáfora médica para a questão metropolitana é interessante (até porque o governador, o secretário munic. do Verde e do Meio Ambiente e diversos vereadores são médicos, e ninguém nega que esse tecido se encontra muito doente), mas paro por aí.

Quando a imprensa orgulhosamente anuncia o recorde de vendas de 26 mil  carros Gol no mês passado; quando uma montadora anuncia que nunca fez  uma entrega tão grande de variedade de modelos de caminhões; quando  reportagem relata que a linha férroviária entre SP e RJ trabalha com 66% de capacidade ociosa, e que a ocupação desse ócio tiraria 5.000 caminhões/dia das estradas; quando o drama dos congestionamentos diários já assombra nosso curto prazo, ameaçando paralisias urbanas que vão 
cancrosar o sistema econômico, com todas as consequências catastróficas para um aglomerado de 20 milhões de pessoas em uma área menor do que fazendas em Mato Grosso ou Goiás…

… a situação não está pra lá de Bagdá?

Nesta semana do meio ambiente em que o C40 (grupo das 40 maiores cidades do mundo) se reune em faustosos espaços e hoteis da Zona Sul paulistana, com sua dinâmica de revista Exame e de mercados financeirizados…

Nesta semana em que mais um grande empreendimento imobiliários dizima uma área verde de 13 mil m2 no Tremembé (ou escolha uma área, maior ou menor, mais perto de sua casa)…

Nesta semana em que completamos 6 meses para a próxima temporada de chuvas, com a questão do lixo (ou do tesouro dos resíduos sólidos)   intocada, e a cidade muito mais impermeabilizada…

“Egoisticamente”, nessa semana, reduzir  tudo isso a uma única questão, talvez emblemática, talvez enganado (julguem e opinem), o Rodoanel trecho Norte. 

 Não é ele:
 
 – Mais do mesmo remédio prescrito há 80 anos para os problemas de mobilidade na cidade?
 – Um emprendimento na contramão da história, ao incentivar o transporte por pneus e combustíveis fósseis?
 – Um soco no estômago do doente, ao atravessar com uma pista de oito faixas, a meros 11 km do centro da cidade, uma área de preservação ambiental, tradicional santuário verde acoplado à metrópole?
 – Um exercício de soberba e autoritarismo, ao determinar, sem ampla consulta, um empreendimento (fosse lá qual fosse o empreendimento) de R$ 6 bilhões?
 – Uma demonstração de intransigência e ganância, ao empurrar goela abaixo a obra em afogadilho de decisão,  contra resistências de diversas ordens, sem o necessário e aprofundado estudo de impacto sócio-ambiental?
 – Um erro estratégico, num momento em que a cidade trava, mobilizando esse volume de recursos no trecho menos importante para a circulação de carga, dos 4 que comporiam o Rodoanel, em vez de alocar essa verba em emergenciais e estratégicas ações pela mobilidade urbana, como corredores de ônibus decentes (eficientes)?
 – Uma cega adesão a um nome:  ANEL, quando o próprio então governador Serra usou a expressão RODOFERRADURA, insinuando a não realização do trecho Norte?
 – Um atestado de estupidez sem tamanho, quando se olha para a cidade não a partir (de dentro) de carros gostosamente equipados, com a endorfina do prazer individual cegando reflexões de interesse coletivo, quando se olha assim para a cidade e não se vê que um Rodoanel na serra da Cantareira pode ser a tampa do caixão que vai levar a cidade para o brejo?  
 – (Pois não é que vão levar o Rodoanel para os últimos brejos existentes na cidade, como o da Pedra Branca, na av. Santa Inês, ou da maravilhosa fazenda Santa Maria na Vila Albertina, 200 alqueires remanescentes a 12 km do marco zero?)
 – Uma mostra da irreflexão que acompanha todos os megaempreendimentos que se justificam por si só, pela realização financeira internacional de grandes grupos, sem olhar para o entorno e, principalmente,  para o futuro? 
 
Se o Rodoanel não é isso, deixem comentários.
Anúncios
4 Comentários leave one →
  1. Francisco Roberto C. e. Santo permalink
    junho 2, 2011 5:31 pm

    Agência Estado.*
    C40: Banco Mundial facilita crédito a projeto ambiental
    *Michael Bloomberg, prefeito de Nova York, o ex-presidente Bill Clinton, o prefeito de São Paulo Gilberto Kassab e Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial.
    [A intenção do encontro é reunir os líderes de diferentes cidades para que cada um apresente suas idéias e soluções para diminuir as emissões de carbono nos centros urbanos e façam sugestões uns para os outros. Qual seria, por exemplo, a sugestão do prefeito de Nova York para a cidade de São Paulo? Em entrevista coletiva, Bloomberg disse que o ideal seria o país diminuir o número de carros com combustíveis fósseis, estimulando o uso de veículos elétricos e outras fontes de energia. Michael Bloomberg defendeu a necessidade de as cidades medirem a quantidade e a origem de emissões de gases causadores do efeito estufa porque, segundo ele, isso vai facilitar o acesso a investimentos. “Há investidores interessados em projetos verdes, mas é necessário resolver essas questões técnicas, de padronização das emissões”, afirmou. Zoellick acrescentou que o Banco Mundial tomará como base os padrões estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU) para os relatórios sobre as emissões. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, comemorou a assinatura do protocolo. “A participação do Banco Mundial vai dar um caráter mais amplo às nossas ações, dar velocidades aos estudos climáticos e à implementação das medidas que estamos discutindo aqui (durante a C40). É uma ajuda muito bem-vinda.”] *Agencia Estado.

    MAS O GOVERNO DE SÃO PAULO + DERSA + EMPREITEIRAS + ALGUNS POLÍTICOS QUEREM REALIZAR A OBRA DO RODOANEL COM GRANDE IMPACTO NO ECOSSISTEMA CANTAREIRA!! QUE PARADOXO É ESSE?? “Sabedoria e Virtude são inseparáveis!”. Rodoanel na Serra da Cantareira Não!

  2. junho 2, 2011 10:13 pm

    É muito triste saber que aqueles que se dizem ambientalistas, são apenas demagogos de gabinete.
    Centenas, milhares, milhões… de reuniões, seminários, simpósios, e tantos blá-blás…
    que não trazem nenhum resultado prático.
    Realmente, como disse Jung, o genial filósofo suiço, a mudança deve iniciar por cada um.

  3. Paulo permalink
    junho 3, 2011 12:52 pm

    Não podemos nos esquecer que, ao invés de melhorar o transporte “público” e atrair diferentes camadas da sociedade com um serviço que respeite o cidadão, o direcionamento é tentar restringir a liberdade de quem achou que a propaganda de um veículo individual cruzaria a cidade em alta velocidade.

    Outro aspécto é o social, pois sendo Sampa um ponto de atração, a distorção está em: primeiro “deixar” que proprietário inescrupulosos de grandes áreas do cinturão verde instalar os oportunistas migrantes ou não instalar suas sub-moradias antes de estar “instalado” (sem emprego, sem conhecimento, só ESPERANÇA!!!!!); Segundo, tolerar a moradia em áreas não previstas para a expansão urbana, vido posteriormente sofrer com grandes deslocamentos de pessoas, expansão das áreas de risco, deslocamento de recursos para áreas não previstas, criação de uma infrestrutura “Frankenstein” para melhorar a situação periclitante.

    Não adianta sermos Hipócritas. A nossa Cidade não aguenta mais pessoas, e se continuar assim, estas soluções insustentáveis serão as que irão ser possíveis.

  4. Francisco Roberto C. E. Santo permalink
    junho 6, 2011 12:20 pm

    Revista FAPESP*
    Espécie de bromélia é usada para captar metais pesados no ar
    Evanildo da Silveira
    Edição Impressa 183 – Maio de 2011

    *”Nas grandes cidades há algo no ar além do oxigênio que respiramos. É o chamado material particulado, composto por minúsculos fragmentos de elementos químicos carregados principalmente de metais pesados causadores de estragos consideráveis à saúde, seja em problemas gastrointestinais, pulmonares ou hematológicos”.*
    Alguém pode negar? Em caso afirmativo, basta então dar uma volta por ruas ocupadas por veículos automores de toda espécie, e após, usar um lenço branco sobre a face e pelas narinas. A cor branca vai sendo manchada pela sujeira do material particulado oriundo dos escapamentos…
    Este é o inimigo invisivel, imperceptível (será?) para os que não querem ver e sentir, talvez porque seus objetivos sejam outros!
    Rodoanel na Serra da Cantareira Não!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: