Skip to content

NÃO ACREDITO NAS BRUXAS…

outubro 15, 2014

… mas que elas existem, existem!… Uma delas vivia no fundo grotão de uma das montanhas da serra da Cantareira, no canto mais distante no alto de Guarulhos… e foi desapropriada para a obra do Rodoanel Norte. Muito desgostosa, sabedora de que o mal não era só pra ela mas pra toda a humanidade, a bruxa desatou mandinga forte, amaldiçoou a obra como marco de alerta: “o sofrimento será geral pra todos, para ninguém esquecer!”, disse. Seca nos reservatórios, fogo na mata… Se isso vai alertar ou não dos descasos com a natureza, ninguém sabe, mas pôs corre-corre nos bombeiros, que trabalharam forte pra apagar o fogo. Veja a ação deles AQUI na matéria do Cidade Alerta, da Record. Parabéns aos bombeiros! Fizeram sua parte. A bruxa também acha que fez…

Helicóptero Águia da PM apagando incêndio na serra. (foto: Cidade Alerta - Record)

Helicóptero Águia da PM apagando incêndio na serra. (foto: Cidade Alerta – Record)

O ÚNICO VEREADOR A PARTICIPAR DA LUTA CONTRA O RODOANEL NORTE

setembro 30, 2014

A equipe do ZNnaLinha acompanha a luta contra o Rodoanel Norte há 12 anos. E cobriu intensamente os últimos quatro anos, quando a obra definitivamente ameaçou começar. Nesse período todo, relatado em mais de 300 postagens, apenas um político da cidade abraçou a causa e tentou impedir a obra. Como uma andorinha não faz verão, ele não teve sucesso. Mas tentou, e merece ter seu nome lembrado: José Américo (PT). Para quem não lembra, abaixo vão postagens de alguns encontros que ele proporcionou.

Ato Cívico contra a obra em 16/06/2012. José Américo "peitou" os seguranças.

Ato Cívico contra a obra em 16/06/2012. José Américo “peitou” os seguranças.

- Participação do Ato Cívico no Parque da Juventude, contra a obra, aqui (inclusive enfrentando a segurança do parque que queriam impedir o ato).
- Reunião no Ministério Público com o promotor de Urbanismo Maurício Lopes, aqui.
- Reunião com o secretário municipal do Desenvolvimento Urbano Fernando de Melo Franco, aqui.
- Reunião com o então secretário municipal do Verde e Meio Ambiente Ricardo Teixeira, já como presidente da Câmara Municipal, aqui.
- Encontro com a comunidade do Jardim Peri, aqui.

Nenhum outro político da cidade se interessou pela causa, como se o desmatamento da Cantareira pelo Rodoanel Norte fosse em outro planeta. Por isso, nas vésperas das eleições, o portal lembra o nome de José Américo (PT), candidato a deputado estadual, número 13.140.

COMITÊ MUNICIPAL PARA MONITORAR A OBRA (I)

setembro 15, 2014

SVMA, DERSA, SMDU e subprefeitura Casa Verde/ Cachoeirinha se reuniram na sede da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, para discutir as compensações e mitigações da obra do Rodoanel Norte. Vejam na postagem abaixo como foi o encontro. Ao final foi consenso a proposta de criação de um comitê gestor municipal, para acompanhar de perto a obra, pedir relatórios, cobrar providências e agilizar a comunicação entre os diversos órgãos do poder público envolvidos. Outro consenso foi de que as compensações devem ser feitas com brevidade, e não podem esperar o final da obra. Cobrar e fiscalizar isso será a missão desse comitê.

A cidade de São Paulo agradecerá se essa proposta não ficar apenas no discurso, mas se tornar realidade e tiver uma atuação equivalente ao tamanho do impacto que a obra causa na cidade.

Reunião na SVMA para ver as compensações ambientais do Rodoanel Norte

Reunião na SVMA para ver as compensações ambientais do Rodoanel Norte

COMITÊ MUNICIPAL PARA MONITORAR A OBRA (II)

setembro 15, 2014

SVMA e DERSA se reuniram na tarde de 10/09 para retomar o diálogo entre a prefeitura e o empreendedor da obra do Rodoanel Norte. Essa reunião se tornou obrigatória, quando o secretário do Verde e Meio Ambiente, Wanderley Meira, sobrevoou a obra e ficou assustado com o que viu. A DERSA enviou os gerentes de Relações Institucionais (Ermes Silva) e de Meio Ambiente (Marcelo Arreguy). O chefe de gabinete da Secretaria de Desenvolvimento Urbano, Weber Sutti e o subprefeito de Casa Verde/ Cachoeirinha, Luiz Fernando Gomez, também participaram, além de técnicos da SVMA. “Queremos discutir as compensações ambientais, em que pé estão. O readensamento verde tem que ser feito rapidamente, não podemos esperar o final da obra”, disse Wanderley Meira.

Fotos do Parque Itaguaçu cortado pela obra.

Fotos do Parque Itaguaçu cortado pela obra.


O secretário relatou a preocupação com os escombros abandonados, que estão transformando a região a montante (a Norte) da obra em uma “Palestina”. Ele visualizou a ocupação em andamento do Córrego do Bispo, bem ao lado da obra, e afirmou que o prefeito Haddad também está preocupado com toda essa situação

Ermes Silva, da DERSA, reafirmou que o Rodoanel Norte é uma obra de grande impacto no meio urbano, e que até agora a obra está com apenas 13% de execução, pois está começando pelas áreas de túneis. E quando as rochas vão aparecendo, elas têm que ser “desmontadas”, grande parte das vezes com explosões. Explicou que a faixa de domínio da obra é de 130 metros, e que a população está sendo removida com o apoio de um departamento social que está cadastrando as famílias. Marcelo Arreguy afirmou que em alguns trechos, como Taipas e Jardim Paraná, a faixa de domínio cresceu um pouco, para proteger as pessoas que ficariam em maior risco.

Ao se falar dos parques de borda, a técnica Maria Rosa, diretora de planejamento de SVMA, lembrou que o Parque Itaguaçu (no final da av. Inajar de Souza) já estava decretado, e agora está sendo cortado pela obra. Marcelo Arreguy reconheceu que existem áreas livres que vão ficar encravadas entre a obra e o Parque Estadual da Cantareira.

Edmundo Garcia, diretor de Gestão Descentralizada da SVMA, ponderou que a contrapartida ambiental de uma obra que deve atingir R$ 10 bilhões, face a esse montante, deveria ser proporcional a esse valor, e que com esse recurso se poderia fazer muita coisa. O gerente de Meio Ambiente da DERSA, Marcelo Arreguy, afirmou que a empresa cumpre o que a lei obriga. E a DERSA foi obrigada a depositar R$ 25 milhões nos cofres da Secretaria Estadual de Meio Ambientel. Isso dá 0,25% do valor da obra.

A palavra que detonou um encaminhamento foi dada pelo subprefeito de Casa Verde/ Cachoeirinha, Luiz Fernando Gomez: “Hoje há um distanciamento ímpar entre a DERSA e a subprefeitura. Não estamos preparados para o problema que a chuva pode trazer. Recebo todos os dias reclamações do Rodoanel, precisamos aproximar as partes envolvidas”.

A saída mais imediata, para colocar a prefeitura em condições de atuar, foi a de se criar um comitê gestor municipal (à exemplo do que acontece em Guarulhos), para se “nivelar a informação”, como disse o chefe de gabinete de SMDU, Weber Sutti. “Queremos ver os planos, os programas ambientais da obra”, completou.

Uma nova reunião foi marcada para a semana de 20 a 24/09, para definição desse comitê gestor. São Paulo agradecerá se isso se tornar realidade.

SERÁ MALDIÇÃO DOS DEUSES?

agosto 30, 2014

Antes de existir o atual Horto Florestal, a população vinha de trem ao parque que ficava na estação Cantareira, no final da linha do Tramway da Cantareira, linha tronco (o ramal é que ía para o Jaçanã). Depois essa área passou para a Sabesp, que aí montou o seu clube para funcionários. Era um verdadeiro paraíso verde, com tanques para pescaria, piscinas, e a mata da serra dando paz de espírito aos frequentadores. Isso é passado. A foto mostra a realidade hoje.

Obra do Rodoanel na Serra, a 12 km da Sé.

Entrada do clube da Sabesp, Vila Rosa, a 12 km da Sé.


Se a falta d´água no sistema Cantareira não for uma maldição dos deuses pelo abuso na Serra da Cantareira…

ADEUS À FAMÍLIA CENTENÁRIA DO TREMEMBÉ!

agosto 30, 2014

Há quase 100 anos morava na Vila Rosa a família Janucci. É tanto que a casa deles ficava na travessa Luiz Janucci, uma ladeira no final da rua São Cleto. Na pág. 106 do livro São Paulo Tramway Tremembé Vol. 2 tem uma foto da família posando na varanda da casa. A casa se transformou no vazio da foto abaixo.

Cade a casa da família Janucci?

Cade a casa da família Janucci?

Sobrou um ramo da família, na casa do muro coberta com unha de gato. Não acertaram a indenização, então as 7 às 19h convivem com o barulho das máquinas, com a destruição ao seu lado. Ali, exatamente ali, passava o Trenzinho da Cantareira rumo à ultima estação, a Cantareira, 500 metros adiante. Verdade, a Maria Fumaça soltava muita fumaça. Mas era uma só e passava de meia em meia hora. Agora, a cada meia hora, passarão aí 500 caminhões e 500 mil carros!

O trenzinho da Cantareira passava na frente desse muro.

O trenzinho da Cantareira passava nessa porta.

TOMANDO CONTA DA AVENIDA!

agosto 30, 2014

Quando eles passam deve trepidar tudo na rua Maria Amália Lopes de Azevedo! Estão indo para a obra na Vila Rosa, no final da av. Luiz Carlos Gentile de Laet. Tropa de elite pronta pra arrasar!

Atravessando o Tremembé.

Atravessando o Tremembé.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 49 outros seguidores